A BIOGRAFIA DE ITALO FERREIRA

Italo Ferreira, Billabong Pipe Masters 2019, Pipeline, Havaí, World Surf League, WSL, Campeão Mundial, Circuito Mundial de Surf, North Shore de Oahu, Hawaii. Foto: WSL
De origem humilde, Italo Ferreira batalhou muito até levantar a taça do Championship Tour em 2019. Foto: WSL

Nascido em Baía Formosa (RN), no dia 6 de maio de 1994, Italo Ferreira está no Championship Tour da World Surf League (WSL) desde 2015.

Sua paixão pelo surf começou aos 8 anos. De origem humilde, aprendeu a surfar com as pranchas dos primos, mas, muitas vezes – por não ter um equipamento próprio e não conseguir emprestado – usou as tampas das caixas de isopor do pai, Luiz, que vendia peixes em Baía Formosa.

Aos 10, ele ganhou dos vizinhos a sua primeira prancha, e logo venceu a sua primeira competição local. De lá para cá, foram muitas conquistas nacionais e internacionais.

Em 2019, sagrou-se campeão do maior circuito do surf mundial. Venceu a grande final da última etapa, em Pipeline, no Havaí, contra o bicampeão Gabriel Medina, tornando-se o terceiro brasileiro a conquistar o título.

Também é o primeiro surfista a obter, numa mesma temporada, os títulos da World Surf League e International Surfing Association na categoria masculina.

Com a brilhante campanha em 2019, Italo garantiu vaga na histórica estreia do surf nos Jogos Olímpicos de Tóquio, Japão, e escreveu seu nome na história olímpica como o primeiro atleta a levar o ouro.

Pro Junior

Em 2011, Italo passou a disputar eventos válidos pela Association of Surfing Professionals (ASP) – que em 2015 teve sua nomenclatura alterada para World Surf League (WSL).

Sua primeira final foi no Mormaii Pro Junior, em 2011, quando venceu o capixaba Rafael Teixeira na decisão na praia da Ferrugem, em Garopaba (SC).

No ano seguinte, Italo venceu o Quiksilver Pro Junior na Barra da Tijuca, Rio de Janeiro (RJ), superando o paulista Luan Carvalho na finalíssima, e foi vice-campeão da última etapa, em Imbituba (SC), vencida pelo paulista Geovane Ferreira.

Em seu último ano de Pro Junior (2014), disputou uma final contra o paulista Deivid Silva em Baía Formosa (RN) e acabou ficando em segundo lugar numa batalha eletrizante na praia do Pontal.

Italo conquistou ainda o vice-campeonato mundial da categoria, em Ericeira, Portugal, vencido pelo lusitano Vasco Ribeiro na praia de Ribeira d´Ilhas.

Italo Ferreira, Mormaii Pro Junior 2011, Praia da Ferrugem, Garopaba (SC). Foto: Basílio Ruy
Em 2011, em Garopaba (SC), Italo venceu a sua primeira competição válida pela extinta ASP (hoje WSL). Foto: Basílio Ruy

Qualifying Series

Sua estreia no Qualifying Series – a divisão de acesso do Circuito Mundial – foi em 2009, participando de apenas uma etapa na praia Mole, em Florianópolis (SC).

Em 2014, Italo Ferreira passou a disputar todas as principais etapas do QS e conseguiu a sonhada classificação para o Championship Tour, a divisão de elite do surf mundial. No mesmo ano, o potiguar conquistou o título brasileiro da categoria profissional por antecipação.

Neste ano, seu melhor resultado no Qualifying Series foi a terceira posição na praia de Maresias, São Sebastião (SP), onde carimbou a vaga no Tour. Também foram fundamentais para a sua classificação o quinto lugar em Açores e Cascais, Portugal, o terceiro lugar em Los Cabos, México, e a quinta posição na praia da Joaquina, em Florianópolis (SC).

Em 2017, ele fez sua a melhor campanha em uma etapa do Qualifying Series até hoje, ficando em segundo lugar na praia do Guincho, em Cascais, Portugal, na final vencida pelo havaiano Ezekiel Lau.

Italo Ferreira, O´Neill SP Maresias Prime 2014, São Sebastião. Foto: WSL / Daniel Smorigo
Em 2014, Italo Ferreira carimbou a vaga na elite mundial e conquistou também o título brasileiro profissional. Foto: WSL / Daniel Smorigo

Championship Tour

Desde que estreou no Championship Tour, em 2015, o foco do atleta passou a ser os eventos da elite mundial, passando a participar de poucos eventos do Qualifying Series.

Seus evento de estreia na elite foi na Gold Coast, Austrália. Ele chegou avançar algumas baterias e roubar a cena na praia de Snapper Rocks ao superar o 11 vezes campeão mundial Kelly Slater. Em uma bateria muito apertada nas oitavas de final, perdeu para o australiano Taj Burrow por uma pequena diferença (15.73 a 15.50) e ficou em nono lugar na etapa.

No Postinho, Rio de Janeiro (RJ), Italo chegou à semifinal e ficou em terceiro lugar. Já em Portugal, ele fez a sua primeira final no Tour, perdendo para Filipe Toledo em uma bateria emocionante na praia de Supertubos, em Peniche. Na bateria, Filipe fez uma nota 10 e Italo chegou a responder com uma nota 9.93, mas o placar final foi de 17.83 a 17.13 para o compatriota.

Em 2016, Italo Ferreira fez uma boa perna australiana, disputando as semifinais em Bells Beach e Margaret River, mas não conseguiu repetir as ótimas performances nos eventos posteriores.

No ano seguinte, o atleta sofreu uma lesão no tornozelo na etapa de abertura, em Gold Coast, e ficou fora de três eventos. Italo retornou às competições em Fiji, surfando com uma proteção no tornozelo, e chegou a derrotar o campeão mundial Gabriel Medina na terceira fase, terminando em nono na etapa.

No fim ano, garantiu a permanência no Tour com um quinto lugar em Pipeline, Havaí.

As primeiras vitórias vieram em 2018. Depois de iniciar o ano com um 13º lugar na Gold Coast, Italo foi com tudo para Bells Beach e venceu a competição de forma brilhante, superando nomes como Filipe Toledo e Gabriel Medina no caminho à final contra o tricampeão mundial Mick Fanning, que estava se aposentando do Tour.

Italo voltou a subir ao topo do pódio em Bali, batendo o taitiano Michel Bourez na final, e ainda levou a taça em Supertubos, Portugal, onde disputou a decisão contra o francês Joan Duru.

Rip Curl Pro Bells Beach 2018, Austrália. Foto: WSL
A primeira vitória no Tour veio em 2018, em Bells Beach, Austrália. Foto: WSL

Os títulos mundiais

Depois de encontrar o caminho das vitórias, o atleta teve um ano iluminado em 2019. Italo Ferreira já começou a temporada vencendo a etapa em Gold Coast, Austrália, fez uma final contra Gabriel Medina em condições épicas em Jeffreys Bay, África do Sul, e entrou com tudo na briga pela taça depois de faturar, pelo segundo ano consecutivo, a etapa portuguesa em Peniche.

Com a lycra amarela, ele foi para Pipeline, no Havaí, com a faca nos dentes. Passou por baterias dramáticas, derrotou o 11 vezes campeão mundial Kelly Slater na semifinal e coroou a sua incrível campanha derrotando Gabriel Medina em uma final histórica para o surf brasileiro.

Italo é também o único surfista masculino na história a faturar, no mesmo ano, os títulos mundiais da World Surf League (WSL) e International Surfing Association (ISA).

A medalha de ouro do ISA Games foi conquistada de forma heróica, depois de uma série de imprevistos, como um furto aos seus documentos e pertences na Califórnia (EUA), burocracias para a emissão de um novo visto para o Japão, atraso no voo por conta de um tufão e, por fim, a chegada na praia sem prancha, de bermuda jeans e com a bateria faltando apenas oito minutos para o término. Surfando com uma prancha emprestada por Filipe Toledo, e ainda de bermuda jeans, ele ainda conseguiu vencer a bateria e ganhou força para bater todos os seus adversários e levar o ouro.

Italo Ferreira, Billabong Pipe Masters 2019, Pipeline, Havaí. Foto: WSL
Italo nos braços da galera em Pipeline, Havaí, em 2019. Foto: WSL

Saiba mais sobre o campeão

Data de nascimento 6 de maio de 1994

Cidade Natal Baía Formosa (RN)

Altura 1,68m

Peso 68kg

Primeira participação em eventos da WSL 2009

Estreia como Top do Championship Tour da WSL 2015

Clique aqui para saber todos os resultados de Italo na World Surf League.